Vamos largar o telemóvel durante a noite?

Hoje em dia o uso de novas tecnologias é constante, tudo passa pelos telemóveis, computadores, tablets, relógios inteligentes e estamos sempre ligados a internet. Esta constante conexão faz com que o nosso ritmo de vida seja muito mais acelerado e não haja tempo para nós, por outro lado cria um vício, hoje em dia é impensável sair de casa sem telemóvel e estamos constantemente à procura de novidades.

Antes de mais quero dizer que adoro tecnologia e não estou aqui para tentar demoniza-la, acho que a tecnologia vêm trazer muitos benefícios ao mundo, no entanto é preciso sabermos ter conta peso e medida no uso destes gadgets. 

A forma que eu encontrei para controlar esta necessidade de tecnologia é na hora de ir dormir, sabemos que a luz que o telemóvel emite é um tipo de luz que nos desperta e não deixa o nosso cérebro tomar as medidas necessárias para dormir, muitas vezes passamos horas a fio deitados na cama, com o telemóvel a ver o feed de todas as redes sociais de pessoas que conhecemos, de pessoas que admiramos e de pessoas que nunca ouvimos falar, ou seja, nós até nos podemos deitar cedo mas estamos acordados até muito tarde por estarmos nas redes sociais sem darmos conta do tempo estar a passar.

Por isso, eu aqui em casa, comecei a dormir com o telemóvel fora do quarto e sem som, claro que eu preciso de despertador para acordar portanto deixo-o perto o suficiente para o ouvir mas deixo-o fora do quarto. No entanto, largo o telemóvel e ao computador uma hora antes de dormir, normalmente o que acontece é que eu largo o telemóvel e vou para a cama ler. Assim, resolvo dois problemas com apenas uma solução, o primeiro que era dormir muito tarde por estar agarrada ao telemóvel, outro que era a minha frequente queixa que não consiga ler nenhum livro.

Surpreendentemente depois de ter começado a dormir com o telemóvel fora do quarto comecei a perceber algumas alterações na minha vida:

Dormir melhor – depois que comecei a dormir com o telemóvel longe da cama comecei a perceber que durmo muito mais descansada, como se o meu sono rendesse mais e acordo com muito mais energia. Isto explica-se não só porque o meu cérebro começa a preparar-se para dormir muito mais cedo e mais descontraidamente, como porque durante a noite não temos a interferência das radiações do telemóvel, da luz das notificações e do som que o telemóvel faz quando vibra.

Mais relaxada – Comecei a sentir-me mais calma tanto durante a noite como durante o dia, simplesmente porque comecei a ter mais tempo para mim e comecei a ter mais tempo sem o frenesim que o telemóvel nos traz.

Atenção – Quando comecei a não ter o telemóvel por perto a noite, comecei a ter mais tempo para reflectir no que se passou durante o dia, no que eu posso aprender de cada situação e a ter mais tempo para digerir tanto as coisas boas que aconteceram durante como as coisas más e reflectirmos sobre as nossas atitudes e sobre o nosso caminho.

Acordar mais cedo – Depois que comecei a ter o telemóvel fora do quarto durante a noite comecei a acordar mais cedo, tanto porque tenho de me levantar para desligar o despertador e não tenho forma de fazer snooze como porque durmo melhor e o meu corpo fica descansado mais cedo.

Para além de que nos afastamos mais das radiações que os telemóveis emitem e isso só pode ser bom, lembrar que nós não fomos feitos para estarmos constantemente mergulhados em radiações, muito menos as que são emitidas pela tecnologia.

Eu pessoalmente aproveito que passo a noite sem telemóvel e faço isso durante uma hora durante a manhã, assim que acordo esforço-me para não pegar logo no telemóvel e concentrar-me em mim e só depois é que eu começo a interagir com o mundo.

Depois disto, estás disposto/a a experimentar durante um mês dormir sem o telemóvel no quarto? Experimenta e depois conta-me aqui nos comentários o que achaste 😉

Sem-título-1

Queres conhecer-te melhor? #03

Mais um inicio de mês, mais 4 questões de autoconhecimento que eu decidi trazer para vocês. O desafio é o mesmo, pegar numa questão por semana e perceber qual é a verdadeira resposta a cada uma delas. Todas as semanas eu vou publicar, tanto no facebook como no Instagram um post com a pergunta da semana, para não te deixar esquecer sobre elas.

As perguntas este mês são:

  1. Como é que tu te vês?
  2. Como é que tu gostarias que os outros te vissem?
  3. Qual é a diferença entre o que tu és e como tu gostarias de ser?
  4. Tu esforçaste para ser quem tu queres ser?

As perguntas deste mês como tu podes perceber, são questões muito duras de responder mas é importante que tu te esforces por ser o mais sincero possível quanto a elas porque só assim elas podem mudar a tua vida, por isso, tira um tempinho para ti e responde a cada pergunta com sinceridade, vais ver que vai mudar muito a forma como te vês a ti próprio e a reacção dos outros a ti.

Sem-título-1

Pausa para… vídeo

Hoje fazemos uma pausa na programação de posts escritos para trazer uma novidade para quem não me segue nas redes sociais. Na segunda-feira comecei um canal no YouTube, uma forma de ficarmos mais próximos e de vocês me conhecerem um pouco melhor. A programação aqui no blog vai continuar igual, podem contar com os 3 posts habituais: Segunda, Quarta e Sexta. Hoje, trago-vos o meu último video que saiu ontem, espero que gostem ❤

Sem-título-1

Vamos livrar-nos de rótulos?

Se há coisa que é habitual no ser humano é rotular as pessoas, seja porque é desorganizada, porque é desatento, demasiado tímido, porque estamos despenteados, porque somos demasiado magros ou demasiado gordos, porque somos demasiado novos ou demasiado velhos. Para todo o tipo de pessoas temos um rótulo, quase sempre dado sem conhecer a pessoa que estamos a rotular, então, se vemos alguém que tem um cabelo ondulado e não liso, muitas vezes, já dizemos que a pessoa está despenteada, se a pessoa é mais gordinha é porque só come e porque não faz mais nada além disso. Estes rótulos são dados sem se pensar minimamente no que pode estar por trás da vida da pessoa ou como a pessoa se pode sentir ao ouvir este rótulo.

A Madre Teresa de Calcutá dizia uma coisa com a qual eu concordo muito: “Quem julga as pessoas não tem tempo para amá-las” e isto é rigorosamente verdade, nós quando perdemos tempo a pôr as pessoas em caixinhas não estamos a investir esse mesmo tempo em conhecer a pessoa e a saber mais sobre ela, estamos apenas a olhar superficialmente para ela e a subjugar a pessoa a algo.

Sim, porque eu acredito que quando estamos a rotular alguém estamos a subjugá-la a alguma coisa que é negativo, porque estamos a ver apenas um lado da nossa percepção da pessoa, quando isso pode não ser a verdade. Nós somos muito de muitas coisas, não é porque eu tenho um estilo mais descontraído que não sou uma pessoa séria, não é porque eu sou bem disposta que não sou competente, nós somos muitas coisas e temos várias facetas. E ao colocarmos rótulos estamos a tentar que a pessoa não viva em pleno todas as suas facetas, porque se desde pequenos ouvimos constantemente, que somos apenas aquilo, chegamos a um ponto da nossa vida em que podemos acreditar que somos mesmo só aquilo.

Quando na realidade, nós viemos cá para sermos felizes e a felicidade constrói-se a partir da aceitação de quem realmente somos, por isso, não vale a pena termos encaixar-nos nesta ou naquela caixinha, vamos é sair todos da caixa e vivermos a melhor versão de nós próprios mesmo que isso implique opostos. Vamos amar as nossas particularidades porque é isso que nos distingue e faz de nós os seres humanos únicos e extraordinários que somos, ao querermos encaixar-nos neste ou naquele padrão estamos a tornar o mundo todo igual, estamos a pintar um quadro todo da mesma cor, quando poderia ser um conjunto de cores dinâmico e emocionante. Por isso é tão importante aceitarmos o nosso verdadeiro eu, por isso é tão importante fugir dos rótulos e não julgar sem conhecer. Somos todos únicos e no final da vida tornamo-nos todos no mesmo, por isso, vamos aproveitar este intervalo de tempo em que cá estamos para sermos o mais felizes possível, sem complicações ou preconceitos.

Sem-título-1

Vamos beneficiar de Reiki?

Já vos falei aqui num post anterior sobre reiki e do meu primeiro contacto com a terapia, mas hoje decidi vir aqui falar-vos um pouco mais sobre esta energia. Antes de mais quero começar por vos explicar o que significa afinal Reiki, a sílaba Rei significa Universal enquanto a sílaba Ki significa Energia, ou seja, a palavra Reiki significa exactamente aquilo que ele é: uma energia universal.

Esta energia universal de cura existe em tudo e em todos e, qualquer um, depois de ser sintonizado pode canalizar esta energia. Enquanto praticante, esta energia é canalizada do universo, entra pelo chakra da coroa (no topo da cabeça) atravessa o corpo até ao chakra do coração e a partir daí é divido em duas partes que se dirigem para o chakra de cada uma das mãos e sai. É de lembrar, que para receber esta energia não é necessário toque, a colocação das mãos é feita a alguns centímetros do corpo de quem está a receber esta energia, apenas em alguns casos excepcionais é feito um toque leve a quem recebe Reiki. O paciente pode estar sentado ou deitado, completamente vestido mas de preferência descalço.

Esta energia do Reiki é sempre uma energia positiva, que ao entrar no campo energético de quem o recebe vai tratar chakra a chakra os problemas energéticos da pessoa que está a receber esta energia. Muitas vezes, os problemas de saúde que temos são resultado de somatizações de sentimentos e energias negativas que temos no nosso corpo, por isso, ao tratarmos o campo energético estamos a tratar problemas de saúde que temos e com o Reiki podemos:

  • Produzir um profundo estado de relaxamento que pode aliviar o stress que sofre, seja este stress produzido pela doença ou pelo dia a dia;
  • Aumentar as defesas do corpo de modo a que ajude a superar, por exemplo, uma infecção;
  • Aliviar estados de depressão e cansaço;
  • Eliminar ou reduzir os efeitos secundários de fármacos.
  • Potenciar o efeito benéfico dos fármacos;
  • Acelerar a eliminação de toxinas da anestesia e fármacos empregues;
  • Reduzir a ansiedade antes de uma intervenção cirúrgica ou química;
  • Aumentar a sua capacidade de recuperação.

Estes são apenas alguns dos benefícios do Reiki, no meu caso, depois que comecei a aplicar o auto tratamento, comecei a sentir-me muito mais energética durante o dia, comecei a sentir uma maior leveza no meu espírito e no meu corpo, as dores provocadas pelo stress desapareceram, sinto-me mais em paz e com uma maior capacidade de aceitação para comigo e para quem me rodeia.

O contacto frequente com a energia do Reiki faz com que a intuição, a consciência e o autoconhecimento se desenvolva, limpa e clarifica o campo energético e faz essa mesma limpeza também aos ambientes que nos rodeiam. Por isso, para quem têm uma maior sensibilidade às energias é uma prática bastante aconselhada, mas não só, pessoas que tenham qualquer tipo de dor, de mal-estar emocional ou físico, tome ou não medicação pode recorrer a um praticante de Reiki para a ajudar.

Por isso, se se reconhece em algum dos quadros que aqui falei, experimente o Reiki ele vai com certeza ajudar na sua situação, por mais complicada que esta lhe pareça. E lembre-se: Só por Hoje, Sou Calmo, Confio, Sou Grato, Trabalho Honestamente, Sou Bondoso.

Sem-título-1